novembro 08, 2019

O país das maravilhas

Por Elisabeth Santos


No dia que Alice, perseguindo um coelho, se achou no País das Maravilhas seu sossego acabou. Todo mundo ali, fora da casinha, deixou- atordoada. Alice já não sabia se estava dentro, ou estava fora, e trocando os pés pelas mãos, na fuga do pesadelo, teve de engatinhar.

Fugiu perseguida por um pelotão de guardas de uma rainha tão má quanto dizem ter sido a madrasta da Branca de Neve.

Assim a menina do vestido azul, de fita da mesma cor no cabelo, voltou às origens; Conheceu o autor da sua história e devolveu-lhe as perguntas que lhe fazia na infância.

Ato sequente, a inconsequente Alice foi parar no consultório de Gepeto, que nas horas de folga entalhava madeiras. Tudo que saía da oficina dele tinha cara de Pinóquio mentiroso, e ele tentava acrescentar-lhes consciência. Consciência, para os que ignoram o que seja, é aquilo que seres humanos adquirem no berço. Como os bonecos caras de pau não tiveram berço, Mestre Gepeto, homem de caráter, emprestava-lhes um inseto denominado cientificamente Grillus Assimilis que era, nada mais, nada menos, que o popular Grilo. O falante tinha a incumbência de estrilar no ouvido dos Pinóquios a cada vez que agiam errado, e depois mentiam para ludibriar gente de bem.

Alice não queria mais daqueles bichinhos já existentes em sua cabeça. Agradeceu e se foi.

Andando a esmo, posto que não reconhecesse aquele novo caminho, como o de volta ao lar viu uma caverna fechada com porta petrificada. Ao ouvir som de muitos passos, foi sondar detrás de um arvoredo. Contou quarenta figuras muito feias! Dizendo as palavras: _Abra-te Sésamo, a turma conseguiu abrir aquela porta, e entrar.

Alice foi atrás disfarçada por galhos arrancados da vegetação local. Nenhum dos quarenta desconfiou. Afinal tinham os olhares interessados no tesouro daquela caverna.

Até hoje ninguém soube com certeza que tesouro era aquele.

Em nosso desencantado mundo das maravilhas... Ouro, e outras preciosidades terrenas podem ser muito bem representados por: NATUREZA preservada; PAZ entre as culturas; IGUALDADE de oportunidades para diferentes povos; um MUNDO de amor fraterno... Tanta coisa que havia entre o céu e a Terra, impossível mensurar em nossa vã filosofia!







--
Elisabeth Carvalho Santos desde alfabetizada lê tudo que aparece à sua volta. Depois de aposentada professora (não de Português) resolveu escrever. Colabora com o jornalzinho da família, participa de concurso cultural e coleciona seus textos para publicar oportunamente. Os assuntos brotam de suas observações, das conversas com amigos e são temperados com pitadas de imaginação e bom humor. Costuma afirmar que "escrever é um trabalho prazeroso e/ou um lazer trabalhoso que todo alfabetizado deveria experimentar algum dia".

novembro 01, 2019

Beba mais leite

Por Elisabeth Santos

Video da página TDF Honest Farming que se eu fosse você ia lá dar uma olhadinha.

Sim, beba mais leite!

Aquele leite retirado da vaca na hora, espumando na caneca que o aparou.

(Que a caneca contenha uma dose do melhor conhaque).

Beba mais leite pasteurizado.

(“Pasteriságua” também não).

Beba leite envasado em garrafa, caixa própria ou saquinho de plástico.

Não beba leite cru e nem fervido.

(Só ferver não garante o extermínio das bactérias).

A diferença do preço do leite de vaca comercializado no país se deve mais aos processos de higienização, e de teores de gordura, do que do leite em si que continua sendo o mesmo em sua composição.

O leite retirado da vaca manualmente tem preço menor, que o extraído pela ordenhadeira mecânica.

Reza a lenda que xixi de vaca seria tão limpo quanto o leite da mesma. Por isso o retireiro lavaria suas mãos naquele xixi. Isto ele faria se não cuspisse nas mãos facilitando a ordenha.

(Cruz e Credo, e Deus que nos livre dessa lenda horrorosa).

Camisetas muito demais na loja virtual abaixo.
https://lauralynetteshop.com/




--
Elisabeth Carvalho Santos desde alfabetizada lê tudo que aparece à sua volta. Depois de aposentada professora (não de Português) resolveu escrever. Colabora com o jornalzinho da família, participa de concurso cultural e coleciona seus textos para publicar oportunamente. Os assuntos brotam de suas observações, das conversas com amigos e são temperados com pitadas de imaginação e bom humor. Costuma afirmar que "escrever é um trabalho prazeroso e/ou um lazer trabalhoso que todo alfabetizado deveria experimentar algum dia".

outubro 25, 2019

Meu quadro

Por Elizabeth Maria 


Resolvi pintar um quadro depois dele estar prontinho na minha imaginação. Não quis tela quadrada para que não fosse rotulado de quadro quadrado, e alguém confundi-lo com “careta”; igualmente não escolhi a tela redonda para ninguém dize-lo “bem bolado”. Arrisquei a fazer algo único, só meu, recortado de maneira criada por mim com linhas orgânicas sobressaindo de ângulos retos, agudos, obtusos não. Na superfície nada plana, reentrâncias e saliências, altos e baixos, sulcos e tramas. Dessa maneira, visto à distância parecia algo reconhecível, de perto seria difícil de ser comparado acertadamente com outra coisa existente em lugar comum.

Na minha imaginação tratava-se de um quadro muito bonito, quase perfeita obra de arte. As cores eram as existentes no céu, vistas por um prisma de cristal. Se estaria parecendo “colcha de retalhos” não me importava. Queria todas as cores harmonizando-se no meu quadro! Sem exclusão de nenhuma.

Ali pintei o que me deu vontade, gastando tintas, desgastando pincéis, utilizando as pontas dos dedos para delimitar formas, as costas da mão na criação dos tons de transição entre uma cor próxima de outra tão diferente. Estive tanto tempo envolvida com tudo isso, seguindo o modelo determinado na minha cabeça, ou buscando originalidade, até quase me perder de mim! Quero dizer, perder o modelo da obra artística pretendida por mim, única no mundo.

De vez em quando me sentia rica de ideias, noutras... pobre de criatividade, mas não desejava deixar no ar, sem finalização o que seria uma missão, ou quase. A imaginação ditava as coordenadas, mas o desejo de extrapolar e ir além aparecia sem aviso prévio a mudar a direção traçada.  Venceu a determinação de captar a originalidade, terminar o quadro que ficou imenso, e expô-lo à apreciação de todo o mundo.

Ouvi, li, acompanhei pela TV e “interneticamente” todos os comentários, críticas as mais diversas. Gerei uma polêmica: aquilo não era arte e sim fantasia.

“Nada tinha a ver com nada: originalidade, estética, academicismo, intuição, naturalidade, espiritualidade, liberdade, só vontade de aparecer mesmo. Uma obra destinada aos seus cronometrados cinco minutos de fama.”

Melhor ainda ficou para mim quando surpreendi os leitores declarando-me feliz com aquele rebuliço mediático, afirmando com todas as letras que meu objetivo foi atingido.
Viva eu! Viva tudo! Viva o Chico barrigudo!




--
Elisabeth Carvalho Santos desde alfabetizada lê tudo que aparece à sua volta. Depois de aposentada professora (não de Português) resolveu escrever. Colabora com o jornalzinho da família, participa de concurso cultural e coleciona seus textos para publicar oportunamente. Os assuntos brotam de suas observações, das conversas com amigos e são temperados com pitadas de imaginação e bom humor. Costuma afirmar que "escrever é um trabalho prazeroso e/ou um lazer trabalhoso que todo alfabetizado deveria experimentar algum dia".

outubro 21, 2019

Óleo CBD e as perguntas mais comuns.



Perguntas frequentes:

Marijuana e hemp são a mesma coisa?

Não.

Hemp é totalmente diferente de marijuana na sua função, cultivo e aplicação. Marijuana é amplamente conhecida e usada com fins recreacionais e medicinais. Hemp é usado numa variedade tão ampla de aplicações que a marijuana ficaria com inveja. Essas propriedades incluem suplementos para a saúde, produtos para a pele, fios para tecidos e acessórios.

Marijuana contém muitos químicos que a tornam uma planta totalmente diferente do hemp. O ternepes, por exemplo dá um sabor característico, a clorofila que faz as folhas serem verdes e o mais importante desse químico é o canabinóide.

Por onde começar?

* Canabinóide, particularmente o CBD, demonstra ter uma curva tipo sino em termos de dose e resposta; por isso é importantíssimo que você vá aumentando a dose aos poucos até o melhor para você, sem passar dos limites.

* Para encontrar a sua dose ótima, pare de usar todos os outros produtos por 2 dias antes de começar um outro produto com canabinoide. Passar da dose ideal faz você perder os benefícios do óleo.

* Muitas pessoas preferem usar o CBD 2 horas antes de dormir. Comece com 10-15 mg de princípio ativo uma vez por dia, aumente a dose a cada 2-3 dias lentamente para determinar com precisão qual a sua dose ideal.

- Por exemplo, use 10 mg uma vez por dia por 2 dias, aumente para 10 mg 2 vezes por 2 dias.
- Continue aumentando a dose depois de alguns dias.
- Quando atingir o ideal, ou seja, quando os benefícios não aumentam, ou eles diminuem, pare e volte a dose anterior. Esse é o ponto alto da sua curva de sino, curva de Gauss.


O que é o canabinóide?

É um químico que dá à planta canabis suas propriedades medicinais e recreacionais. Dentre os 113 tipos de canabinóides produzidos, THC e CBD são os mais prevalentes e os mais conhecidos até o momento. THC é conhecido pelas propriedades psicoativas e a razão de você se sentir "alto" depois de usar marijuana, maconha, canabis. CBD é um canabinóide não psicoativo e na verdade age contrabalanceando o efeito psicoativo da marijuana. CBD também tem outros vários efeitos como anti-inflamatório, e neuro protetor. Sejam produzidos pela planta ou pelo corpo, esses princípios naturais interagem com o sistema endocanabinóide.

O que é o sistema endocanabinóide?

Ele é um conjunto de células receptoras e suas moléculas correlacionadas. Você pode ver essas células receptoras como pequenas fechaduras na superfície das células. As chaves dessas fechaduras são chamadas endocanabinóides. Cada vez que um receptor endocanabinóide diferente se une a uma célula essa célula solta uma mensagem para uma outra célula específica. Existem 2 tipos de receptores, o CB1 e o CB2. O CB1 é encontrado basicamente no cérebro e é responsável pelo efeito psicoativo da marijuana. Cada vez que um endocanabinóide se liga a uma célula, ele manda uma mensagem direcionando uma célula, ou seja, falando para seguir uma direção.

Eu vou ficar doidão com o hemp?

Não.

Mesmo havendo um número grande de canabinóides conhecidos (113 no mínimo) a cannabis é sabida por 2 ingredientes ativos. THC e CBD. THC é o único que tem o componente psicoativo. É o único que pode te deixar "alto", doidão, chapado.