agosto 04, 2017

Tão falso... tão bom.

Por Elisabeth Santos
©  | Dreamstime Stock Photos

Um vestido lindo copiado de um modelo das vitrines parisienses pode ser tão bom de vestir, quanto o original, e ainda proporcionar um momento inesquecível. Uma bijuteria imitando joia rara, que combine com o vestido; um par de sapatos de salto confortável, mesmo sem ter custado caro; acessórios e bolsa cheios de charme embora tenham saído do fundo do baú...

Certas coisas na vida não precisam ser autênticas, outras sim.

Amizade falsa, amor infiel, felicidade passageira, lágrimas mentirosas, e sorrisos forçados, ninguém merece.

Você pode ser você mesmo dentro de uma indumentária qualquer: fantasiado, representando um personagem, vestido luxuosamente ou com simplicidade. Não estaria sendo, entretanto, você mesmo caso se dispusesse a enganar alguém para receber algum benefício.

Enganar outras pessoas poderá ser relativamente fácil. Enganar-se, representando um papel que não corresponde aos próprios sentimentos, nem tanto.

A pessoa atingida pelo seu fingimento uma vez, questionará sua sinceridade dali por diante, ou não.

Mas... quem fingiu e prejudicou o grau de confiança de que foi depositário um dia, estará sempre camuflando alguma atitude intencionalmente. Temendo ser descoberto na sua insinceridade, tentará viver feliz num mundo criado para si, prestes a ruir ao primeiro sopro, brisa, ou ventania inesperada.

Há quem mantenha as aparências, para garantir boa vida. Faz jogada de trocas arrojadas crendo, que é só aquilo mesmo que lhe está reservado. Não acredita em amor sincero, amizade desinteressada, lágrima verdadeira, felicidade plena.

Deve ser pela própria incapacidade de gerar tais sentimentos, ou porque ninguém dá o que nunca recebeu.

Muito triste viver assim.




--
Elisabeth Carvalho Santos desde alfabetizada lê tudo que aparece à sua volta. Depois de aposentada professora (não de Português) resolveu escrever. Colabora com o jornalzinho da família, participa de concurso cultural e coleciona seus textos para publicar oportunamente. Os assuntos brotam de suas observações, das conversas com amigos e são temperados com pitadas de imaginação e bom humor. Costuma afirmar que "escrever é um trabalho prazeroso e/ou um lazer trabalhoso que todo alfabetizado deveria experimentar algum dia".

Um comentário:

  1. Anônimo7/8/17 08:35

    Lindo texto! Amei a reflexão! Obrigada!

    ResponderExcluir

Leave your comments here.